Stivale Brasil, empresa de Importação e Exportação de produtos que oferece produtos de qualidade diferenciada, a preços competitivos, com garantia na utilidade, rapidez na entrega e excelência no atendimento.


2013-02-14


?A máxima de que uma cidade boa para os excluídos é uma cidade boa para todos serve de lição para todos os gestores públicos e para a iniciativa privada.?

 O inédito rigor com que as casas noturnas de todo o País começaram a ser fiscalizadas depois da tragédia ocorrida em uma boate gaúcha é uma grande oportunidade para também exigir das empresas o acesso dos deficientes físicos. Mais do que isso, é uma chance de deixar de ignorar o direito constitucional de segurança e locomoção em lugares públicos e particulares também para idosos, crianças e gestantes, e rever toda a questão da mobilidade urbana.
Ex-prefeito de Bogotá, Enrique Peñalosa estabeleceu uma premissa que deveria nortear gestores públicos brasileiros. Referência mundial em soluções urbanas, o colombiano disse em recente entrevista à Folha de S. Paulo que as cidades devem ser pensadas para os mais vulneráveis, a saber, os idosos, os que se movimentam em cadeiras de rodas, os mais pobres. “Se a cidade for boa para eles, será também para os demais.”
Com a cabeça voltada para a agenda da cidade, e não para índices de popularidade ou projetos de continuidade política, Enrique Peñalosa comprou briga com os carros, que no Brasil ocupam quase 60% do espaço público e transportam somente 20,5% das pessoas. Ao invés de se ater a promessas eleitoreiras de asfalto reluzente, eliminou vagas nas ruas, tornou os estacionamentos mais caros e ainda elevou o preço do combustível.
Em contrapartida, o ex-prefeito investiu na modernidade do transporte coletivo e criou imensas calçadas e ciclovias, privilegiando áreas de convívio social e fortalecendo o comércio. No Brasil, cidades como Curitiba já desenvolveram ações semelhantes com grande sucesso. Conforme apontou o cronista Ruy Castro, se o cidadão pergunta onde poderá estacionar seu carro, Peñalosa responde: “Isso não é responsabilidade minha. É um problema privado. Eu também não digo onde você guarda sua roupa. O estacionamento não é um direito adquirido.”
A máxima de que uma cidade boa para os excluídos é uma cidade boa para todos serve de lição para todos os gestores públicos e para a iniciativa privada. O direito à segurança e locomoção não pode ser tratado na prática como um privilégio de frequentadores de casas noturnas.

Fernando Machado é jornalista do POPULAR




Veja mais...